Carta Aberta ao Sr. Augusto Pinochet (português)

BT5NSK-CMAA2Yfr

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Sr. Augusto Pinochet Ugarte ,
Há 40 anos atrás, você era responsável por assassinar a democracia no Chile. Responsável por fazer parte e comandar uma história marcada pela cor vermelha , um vermelho que não é de uma ideologia política , mas o sangue vermelho do povo chileno. Responsável por mudar a vida de todos os chilenos que estavam no país. Responsável por mudar a vida da minha família.

Sim, naquele 11 de setembro a vida da minha família mudou, como a de muitas famílias no Chile. E mesmo sem estar viva naquele tempo, a minha vida mudou. Minha vida foi castrada de memórias e vida familiar.

Quando algumas pessoas me dizem que não foi tão assim, chegando às vezes a rir com um sorriso maldoso. Fico em silêncio. Principalmente se é chileno. Eu sei que alguns até hoje não tem ou não tinham ideia da proporção que teve o seu ato de restaurar a política e moral do Chile, junto aos outros comandantes. Mas eu não entendo que moral é esta a tua, matando pessoas. Geralmente, fico quieta, pois o que adianta discutir com essas pessoas? Isso fará justiça para todos os mortos e desaparecidos? Não. Isso só alimenta o ódio que você e sua tropa construíram. E realmente, eu não sou como você. Eu não odeio. Eu só tenho nojo. E eu espero que um dia exista justiça para todos aqueles que perderam suas vidas, que desapareceram e os que tiveram que fugir de seu próprio país, para defender a preciosa democracia.

Em que você, Sr. Augusto Pinochet , mudou a vida da minha família e a minha?

Meu avô Fernando foi preso nessa semana. Ele ficou desaparecido por um tempo, estava em um campo de concentração e em um barco usado como um campo de concentração. Obviamente, ele foi torturado. Eu sei que minha Nona lutou duro para ter a informação até que um dia Fernando voltou . Eu nunca soube bem a história, pois Fernando nunca falou. E uma vez minha vó me contou como foi. A história de um homem, prisioneiro, que chegou na casa da minha Nona com o relógio do Fernando, como uma prova que estava vivo. Meu tio-avô, também foi preso e levado para campo de concentração, nesse mesmo setembro. Também ficando desaparecido, por um tempo. Minha avó e minhas tias lutaram dia após dia com essa ansiedade. Meu pai, foi expulso da universidade, obviamente, não foi algo simples e tranquilo, nunca conversamos muito sobre isso, porque até agora é pesado reviver aqueles momentos. Outro tio, estava na lista e teve que deixar o país clandestinamente, porque sabiam que iriam matá-lo. Em conversas familiares, descobri que um outro tio, também teve que sair, porque naquele setembro, sua casa foi baleada.

Eu imagino a angústia da minha família. De meus avós , minha mãe , meu pai … de todos.

Meus pais deixaram Chile. Sempre escutei que se eles estivessem em 1983 morando no Chile, provavelmente eles não teriam ficado vivos.

Como você mudou a minha vida? Obviamente, com a sua arrogância, nem percebeu.

Eu nasci no Brasil. Eu amo o país que acolheu meus pais e nos deu uma linda família, uma família do coração.

Mas você me negou ser chilena. Coisa que consegui há alguns anos atrás. Afinal para você as crianças chilenas que nasciam no exterior eram mini-subversivo, revolucionário. O que é verdade.

Eu me lembro da primeira vez que fui para o Chile. Parece que alguma coisa aconteceu por aqui e meu pai decidiu em cinco minutos ir para o Chile, em um Opala. No instante em que a Cordilheira apareceu em nossa frente foi uma emoção para os meus pais, junto com uma certa tensão. Até hoje me lembro dessa tensão, eu tinha acabado de completar quatro anos, algumas pessoas dizem que não há lembranças nessa idade … Ah! Me lembro que meus pais, nos disseram que era para falar em português, caso alguém viesse perguntar alguma coisa. E, obviamente, alguns homens chegaram a perguntar e eu falava que estávamos comendo Danoninho. Felizmente tudo correu bem. Graças a Deus e a falta de tecnologia. Depois, em 1986, fomos de avião, era um vôo onde todos se conheciam, chegando no Chile foi tudo estranho e tenso, eu me lembro que todos ficavam prestando atenção uns nos outros para ter certeza de que saiam, que ninguém ficou preso.

Na minha infância, eu vivi atos pelo fim da ditadura brasileira e chilena. Meus pais lutaram e lutam por um mundo democrático e justo. Eu vi o que hoje são chamados de ” Imagens Proibidas” em minha casa, de alguma maneira esses VHS do Tele Análise chegaram em minha casa. Eu cresci assistindo a angústia dos meus pais em ver o Chile de longe .

Eu cresci castrada por sua culpa, Sr. Pinochet. Sim, você me castrou das memórias que eu nunca vou ter. Se um dia eu tiver filho e ele me perguntar como era o Natal com os bisavós, não tenho lembranças. Por sua causa! Você me tirou o direito de:
– tardes de domingo com meus avós;
– aniversário com os avós, tios e primos;
– das lembranças de Natal como a família completa;
– brincar com os primos;
– aprender coisas com os avós.
São memórias que eu nunca vou ter.

Sou uma deslocada, uma eterna estrangeira. Aqui no Brasil não estou 100% local, como no Chile também não sou. E pior, sou uma estranha para a família, uma estranha para os meus tios e primos, uma visita passageira.

Hoje, o dia que marca 40 anos da traição que você cometeu a democracia do Chile e a Allende, não há perdão para a atrocidade que você fez. Espero que o ódio que você plantou no Chile, acabe . E que seja feita justiça por todos os desaparecidos/mortos. Sem mais ódio. Na minha família todos voltaram vivos, ninguém desapareceu eternamente ou morreu, graças a Deus, porém as marcas na família existem, como em muitas outras famílias. Mas amigos de meus pais, avós e tios morreram ou desapareceram. Assim como muitos, mais de 3.000 almas que ainda esperam por justiça. Nunca se pode esquecer o que você e seus “valentes soldados” fizeram manchando de vermelho o rio Mapocho, Chile e a história, para jamais repetir.

Carolina Soledad S Cifuentes

PS: . Nada justifica o que você fez. Nada justifica a dor e o ódio que você plantou no Chile.

Anúncios

0 Responses to “Carta Aberta ao Sr. Augusto Pinochet (português)”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




¡Filosofia Soleil!

Just Looking

Sobre sentir... #illustration #ilustracion #ilustracao #fellings #sentir Hoje é o aniversário da minha "vovis" brasileira, obvio q não de sangue mas de todo coração e alma! A pessoa q qdo finalmente saí do hospital, lá nos idos de 1979, foi me buscar junto com mamis e papis. É sempre teve uma paciência pra me aturar e com certeza posso dizer que a pessoa que tem todas minhas artes. Desenhos datados de 1980 e poucos. E hoje ele merecia que eu desenhasse a Nossa Senhora, Santa q ela é devota. Não manjo do paranawue santas, mas espero que ela goste. Todo meu amor por esta tia/vovis do ❤️ está em cada pincelada. #illustration #ilustracion #ilustracao #nossasenhora #santa Esas locas ganas de deslizar por el piano en un día de lluvia... #illustration #ilustracao #ilustracion #piano #music #umbrella #paragua #guardachuvas #jazz rabiscando e andando... #rough #boceto #rabisco #esboços mi yo-lirico #illustration #ilustracao #ilustracion #mounth #boca Colorindo a vida... ilustra q fiz para a @analianmp (retrato dela) #illustration #ilustracion #ilustracao Corazón #ilustracion #illustration #ilustracao #corazon #coração #heart #fridakahlo #ilustracion #illustration #ilustracao Ya viene ella... #ilustracion #ilustracao #illustration #rabisco #rough #boceto #fridakahlo

Twito Logo existo


%d blogueiros gostam disto: